Folha do ES
Qui, 1 de Dez

Home   Política     Denúncia


Técnicos do TCES confirmam  direcionamento da licitação do Detran no Caso Pen Drive

Técnicos do TCES confirmam  direcionamento da licitação do Detran no Caso Pen Drive

Foi o maior escândalo registrado no Governo Renato Casagrande que está sob investigação em várias esferas.

  Por Jackson Rangel Vieira

  26.outubro.2022 às 12:34Atualizado em 26.outubro.2022 às 14:00

O Presidente eleito da Câmara de Vitória Armandinho Fontoura recebeu de fontes sob sigilo relatório técnico do Tribunal de Contas confirmando o escândalo do direcionamento do PEN DRIVE que favoreceu a empresa chinesa Dhaua no contrato superfatura de R$ 139 milhões . Segundo elas, o Governo Casagrande tentou esconder o documento por causa das eleições.

O documento mostra a conclusão da área técnica do Tribunal do Contas do Espírito Santo (TCES). Os auditores confirmam que a licitação do cerco eletrônico estadual, no valor de R$ 139 mi, foi direcionada para o consórcio empresarial "Pedras Verdes". Este é composto pela empresa chinesa DAHUA (líder), PÉRKONS e VELSIS.


Clique aqui e leia a íntegra.


O relatório de investigação dos auditores do TCES aponta nomes dos responsáveis do Governo Casagrande e suas condutas criminosas para direcionar a licitação. As conclusões são totalmente opostas à do MPES, que arquivou as investigações, por meio do promotor de justiça Rafael Calhau Bastos da 24ª promotoria cível de Vitória e da Procuradora Geral do órgão Luciana Gomes Ferreira de Andrade, indicada por Casagrande.

Na investigação da área técnica do Tribunal, um dos principais acusados pelo direcionamento é Vitor Murad, braço direito e subordinado ao então Secretário Tyago Hoffmann, como Chefe da Coordenadoria de Inovação e Desenvolvimento Tecnológico (CIDT). Esse órgão inédito foi criado na atual gestão.

Os técnicos do Tribunal de Contas citaram o seu decreto de criação assinado por Casagrande (nº 4379-R de 2019), que deu poderes para essa coordenadoria de Vítor Murad tocar diretamente em concorrências milionárias de tecnologia que já pagou R$ 40 milhões até à presente data.

A área técnica do TCES apontou cláusulas grosseiras de restrição da concorrência, com direcionamento para o consórcio da empresa chinesa DAHUA. O relatório de investigação cita que o Governo Casagrande foi alertado e cobrado a retirar essas cláusulas de direcionamento, mas mesmo assim manteve as fraudes no edital.

Outro ponto do esquema de direcionamento destacado pelos técnicos do TCES foi a realização da consulta pública e da licitação em períodos de festas de fim de ano, quando a sociedade civil, instituições e empresas estão em recesso.

Como parte do direcionamento, também foi destacado o prazo exíguo para impugnações dos concorrentes nesse período de recesso de fim de ano: de 20/12/2019 até 08/01/2020. Isso ocorreu também quando o edita foi republicado com os mesmos direcionamentos.

Veja a conclusão do relatório dos auditores:



O Presidente Eleito da Câmara de Vitória usou a tribuna do Parlamento hoje, 26, para revelar detalhes do Relatório de Investigação dos técnicos do TCES. Assista:

Veja pronunciamento pronunciamento

ENTENDA O CASO PEN DRIVE

O pen drive entregue por fontes sigilosas mostrou mais de 400 arquivos eletrônicos da licitação, muitos deles sigilosos e internos do governo, que foram feitos pelo consórcio empresarial vencedor liderado pela empresa chinesa DAHUA.

Ao lado do pen drive, também existem várias outras provas independentes que confirmam o direcionamento do certame, como as acusações de concorrentes multinacionais e também denúncias de autoridades.


Fonte: folhadoes.com

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.