Folha do ES
Qua, 21 de Nov
Black Friday Shopping Sul

Home     Judiciário


PM eleita deputada é processada por mãe de assaltante morto

PM eleita deputada é processada por mãe de assaltante morto

Katia da Silva Sastre conseguiu 264.013 votos e usou cena de morte em sua campanha eleitoral

  Por Redaçao

  13.outubro.2018 às 10:03

A cozinheira Regiane Neves da Silva Ferrari perdeu o filho Elivelton no dia 12 de maio, momentos depois de o rapaz de 20 anos anunciar um assalto em frente ao colégio Ferreira Master, em Suzano, na Grande São Paulo.

Uma policial militar, que estava de folga e acompanhava a filha de sete anos na escola, reagiu ao crime e matou o assaltante com três disparos.

O caso trouxe súbita notoriedade à policial Katia da Silva Sastre que, explorando o episódio na campanha, elegeu-se deputada federal pelo PR com 264.013 votos. Foi a sétima mais votada no Estado.

"Ela estava fazendo o serviço dela, não questionei e não questiono", afirma a cozinheira de 48 anos, que tem outros 4 filhos e 7 netos.

"Como policial, ela podia matar, eu também ia tentar proteger os pequenos numa situação como aquela", afirma, embora diga ter certeza de que o filho não pretendia atacar os estudantes. "Ele sempre foi muito carinhoso com crianças", diz.

Ainda que não a culpe pela morte do filho, Regina entrou nas vésperas da eleição com um pedido de indenização na Justiça de São Paulo por danos morais contra a policial e o seu partido.

"Ao exibir a cena na propaganda eleitoral, dia após dia, ela me torturou e à minha família de um modo terrível", afirma a cozinheira, que cobra R$ 477 mil na ação (o equivalente a 500 salários mínimos).

Na propaganda, após divulgar as imagens gravadas por uma câmera de vigilância instalada na escola, a então candidata dizia que atirou e que atiraria de novo. "Tenho coragem", afirmava.

"Quando dizia que matou e que mataria de novo, eu pensava que era a mim que ela estava querendo matar", afirma a cozinheira. "Afinal, meu filho já está morto, eu que estava sofrendo na frente da TV."

Regina diz que foi diagnosticada com depressão e que vive à base de remédios. "O que ela fez foi um absurdo", declara. "Toda vez que a cena aparecia na TV, meus netos gritavam: 'vó, estão matando o Zoca de novo, venha ver'".

No processo, a advogada Victória Eiras Monteiro, do escritório J. Beraldo, diz que a honra e a imagem do filho da cozinheira foi denegrida e que a situação causou constrangimento e sofrimento à família. "Exibiram de maneira cruel e espúria a imagem do falecido", diz, no texto.


Fonte: Terra

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2018 Folha do ES. Todos os direitos reservados.