Folha do ES
Sex, 1 de Jul

Home   Geral     Espírito Santo


'Minha namorada não teve nada a ver com isso', diz em vídeo jovem cortado na barriga em praia

'Minha namorada não teve nada a ver com isso', diz em vídeo jovem cortado na barriga em praia

Jovem falou sobre o caso em um vídeo publicado em uma rede social. Namorada foi denunciada pelo MP como agressora e é ré perante a Justiça. Vítima e namorada negam a versão do MP e da polícia. Caso aconteceu em janeiro, na Praia do Ermitão, em Guarapari.

  Por Redação

  01.maio.2022 às 18:29

O jovem que acordou com um corte profundo na barriga e parte do intestino exposto na Praia do Ermitão, em Guarapari, no Espírito Santo, no dia 16 de janeiro, falou sobre o caso pela primeira vez.

Em um vídeo publicado neste domingo (1º) em uma rede social, Gabriel Muniz disse que a namorada não é a autora das agressões e que ambos foram roubados no dia. Embora tenha sido publicado no domingo, o jovem fala no vídeo que está gravando no dia 27 de abril. última quarta-feira.

"É óbvio que minha namorada não tem nada a ver com isso, ela assim como eu é vítima desse acontecimento e fica claro que tinha uma terceira pessoa ali que fez isso com nós dois [...] A gente foi roubado, isso é óbvio, é um fato, infelizmente isso parece que não foi nem levado em conta, foi roubado de mim um celular e uma caixinha de som, e a minha namorada tinha na bolsa dela R$ 80, que foram deixados eu acho R$ 4 ou R$ 6 espalhados na areia", disse o jovem no vídeo.

O relatório final do inquérito policial decidiu pelo indiciamento da namorada. Com base nas conclusões apresentadas pela Polícia Civil, a Justiça aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público, no dia 19 deste mês, tornando Lívia Lima Simões Paiva Pedra, de 20 anos, ré.

De acordo com o jovem, os ferimentos da namorada, que, segundo a Polícia Civil, ajudaram os investigadores a concluírem que ela foi a agressora, mostram na verdade que ela também foi vítima.

O estudante contou também que há uma parte do Parque Morro da Pescaria em que é possível sair sem ser registrado por câmeras. O jovem argumentou que a pessoa que atacou o casal fugiu por esse parte.

"Lá é um parque aberto, com entradas pela região da mata e das pedras, além de uma portaria, que foi por onde a gente entrou, que conta com duas câmeras que ficam só no início. Estão mostrando nas reportagens que é como se fosse o único acesso, mas não estão levando em conta outras possibilidades, que abrange a que provavelmente a terceira pessoa fugiu. Lá é tão de fácil acesso que, no próprio dia, entrando no morro, demos de cara com três ou quatro pescadores. As pessoas vão lá com liberdade e facilmente quem fez isso fugiu pelas pedras ou pela mata", explicou.

Jovem acordou na madrugada do dia 16 de janeiro com um corte profundo na barriga e partes do intestino espalhadas pela areia — Foto: Reprodução/TV Gazeta

No vídeo, ele não fala em uso de drogas, mas tanto o jovem quanto a namorada relataram o uso em seus depoimentos à Polícia Civil.

O universitário falou que uma lembrança do dia permanece e esclarece que a namorada não foi a agressora. Ele disse no vídeo que lembra de estar sendo golpeado e ao mesmo vendo a namorada deitada na canga, a cerca de 10 metros dele.

"Isso para mim mata tudo. Fora que o cirurgião facial que me operou disse que não era possível ter aquelas lesões no rosto que tivessem sido causadas por uma pessoa de 1,60m e 48kg, mas apenas por um objeto contundente e com os punhos. Quem fez as lesões provavelmente foi uma pessoa canhota, já que elas se concentram na parte direita do rosto", disse.

O rapaz mostrou no vídeo um laudo comprobatório das fraturas na face.

Investigação

As versões da denúncia do MP e a apresentada pelo casal diferem. O casal diz que foi atacado.

Os detalhes da investigação da Polícia Civil foram divulgados na última semana.

"Uma investigação difícil para a Polícia Civil. Tratava-se de um casal, um local ermo, de madrugada, não tinha testemunha, outras informações, a não ser o casal. Foi dificultada em relação a isso, mas o delegado reuniu informações para indiciar a moça por ela apresentar lesões nas mãos e o rapaz ter tido um corte grotesco. Chega a conclusão que possivelmente foi a moça, utilizando de elemento cortante, que retirou o intestino do rapaz", disse o delegado-geral da Polícia Civil do ES, José Darcy Santos Arruda.

Ele adicionou que "o ferimento que ela apresenta nas mãos, o corte, e ter somente os dois, leva a autoridade policial a entender que foi ela que praticou".

O delegado responsável pela investigação, Franco Malini, falou sobre os elementos que levaram ao indiciamento da jovem. Segundo ele, o corte deve ter sido feito com um caco de vidro.

"Um dos elementos que nos levaram a concluir é uma ligação que ela fez com a própria mãe. Tinha combinado um horário, porem não retornou. A partir de então a família começou a procurá-la. Somente 2h20 da manhã a mãe conseguiu contato com ela, ela atendeu, e foi quando a mãe relata que escutou a voz da filha, apenas, durante 50 minutos de ligação, e em alguns momentos escuta o rapaz falar 'Praia do Ermitão' e deduziu onde estavam", explicou.

O delegado explicou que os cortes que a namorada apresentava nas mãos indicam um ataque dela contra alguém.

"Essa investigação não poderia se basear em provas testemunhais. Apenas duas pessoas estavam no local e, de acordo com a legislação, devem colaborar com as investigações. Ambos dizem não se lembrar do que ocorreu. A nossa conclusão foi que só estavam eles. O segundo ponto são as lesões que a menina apresenta na mão, lesões típicas de corte. Ela possivelmente deu soco no rosto do rapaz e fez o corte na barriga, por conta do corte que tem na mão", relatou.

Ainda de acordo com o delegado, ambos confirmaram o uso de "quadradinho", que seria LSD, e disseram não se lembrar o que houve após terem alucinações. Só se recordam de acordar e ele estar com a barriga aberta.


Fonte: G1

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.