Folha do ES
Dom, 27 de Nov
Receitas cofril

.Home     Colunistas     Usiel Carneiro de Souza

PELO QUE ESTAMOS VIVENDO?


Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza

Usiel Carneiro de Souza Teólogo e Administrador de Empresas

Ver todos os artigos

  05.outubro.2022

Há uma outra forma de fazer a pergunta que dá titulo a reflexão de hoje. Seria: pelo que estamos morrendo? Porque aquilo pelo que vivemos, é também aquilo pelo que morremos. Pelo simples fato de que viver é gastar a vida. É usar o tempo de que dispomos. Vale a pena morrer pelo que estamos vivendo? Jesus veio para nos ensinar a viver. Ele viveu e morreu para que vivamos e nossa morte não seja uma tragédia. A vida que Ele viveu é a vida que devemos viver. E na vida que Ele viveu, amar e servir são valores centrais. Mas as vezes tenho a sensação de que tudo que sobrou do Evangelho que Ele nos trouxe foi a liturgia e os programas que nós criamos. Nossas invenções ficaram tão importante que nos impedem de amar e servir. Somos divididos pelos estilos de nossos cultos, pelo modo como batizamos, pelas músicas e liturgias que apreciamos… pelo que estamos vivendo?

Não foi essa a ideia que Jesus. A vida que Ele nos propõe é muito mais simples e também muito mais profunda. Uma vida em que somos chamados a crer. A enfrentar a vida e as lutas sustentados pelas certezas do Evangelho: o amor e o cuidado do Pai. Se Ele cuida das aves e dos lírios, não cuidará de nós? Onde está a nossa fé?! Jesus viveu amando e servindo. Dizemos que cremos nele, mas porque vivemos de forma tão diferente? Na vida que Ele nos propõe, somos chamados a ter esperança. A não nos impressionarmos com dores, perdas, angústias ou perguntas sem resposta. Pois a garantia não está no que nós podemos diante da vida, mas no que Ele fez e em quem Ele é. Ele nos preveniu: neste mundo vocês enfrentarão aflições, mas mantenham-se animados, porque eu venci o mundo (Jo 16.33).

Na vida que Jesus nos propõe, somos chamados a amar. E amar é que há de maior e mais seguro se queremos seguir a Jesus. Se dizemos crer no Evangelho. Se nossa fé for frágil, se formos inconstantes em manter a esperança, ainda assim podemos corajosamente nos declarar seus discípulos, e dos bons. Basta amarmos. Jesus disse que o amor é nosso grande dever, o maior e incomparável mandamento. Ele disse: o meu mandamento é este, que vocês se amem como eu amei vocês (Jo 15.12). Fé sem amor nada vale. Esperança sem amor é ilusão. Mas o amor tudo crê, tudo espera, tudo suporta (1 Co 13.7). Paulo está certo: permanecem a fé, a esperança e o amor. O maior deles porém é o amor!

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.