Folha do ES
Ter, 4 de Out
Nova logo da LEIA Pesquisa

.Home     Colunistas     Társis Dellano

Os setenta e sete anos do “pequeno príncipe”


Társis Dellano

Társis Dellano

Estudante de Direito, palestrante, apreciador de música popular brasileira e literatura, comunicador especializado em ouvidoria e atendimento ao público

Ver todos os artigos

  30.julho.2021

“De um astro um dia ele desceu e o deserto iluminou com a luz do olhar”.

AFINAL, QUE PRÍNCIPE É ESSE?

A história do pequeno príncipe é conhecida nos quatro cantos do planeta Terra, afinal estou referindo ao livro que é o quarto maior best-seller do mundo com cerca de cento e oitenta milhões de exemplares vendidos. Isso mesmo, o misterioso garoto de cabelos dourados como o trigo, de sorriso como o de anjos e vindo do asteroide B-612 fez do aviador Antoine de Saint-Exupéry um símbolo da literatura infantojuvenil. Porém, os 77 anos que faço referência no título são de um pequeno príncipe que não veio do asteroide B-612, mas de Niterói (RJ), e talvez aspectos como a origem e a altura sejam os únicos pontos que diferenciam ambos.

Ronaldo Lindenberg Von Schilgen Cintra Nogueira ou simplesmente Ronnie Von é o príncipe que comemorou mais um ano de vida nesse mês de julho (dia 17) e que terei a enorme satisfação de contar o superficial da sua história, corrijo-me: do seu principado.

CURRÍCULO

Cantor, compositor, escritor, apresentador, ator, aviador, botânico, economista, empresário, publicitário, enólogo, sommelier, youtuber, tio e “mãe de gravata”. Você leu correto, escrevi tio e mãe mesmo, mas esses são pontos que só irei explicar mais adiante.

SURGE UM PRÍNCIPE

O Dr. José Nogueira trazia constantemente de Londres os discos dos Beatles para o filho (Ronnie), álbuns esses que chegariam no Brasil cerca de seis meses após o lançamento oficial. Esses presentes tornaram-se um dos principais impulsos para a inesperada carreira musical do príncipe. Ironia, uma vez que o rumo era repudiado pela família.

Sendo um dos poucos detentores do acervo “inédito” da banda britânica, Ronnie emprestava os seus discos para os amigos da “The Brazilian Bitles”. Acredite, sem a pretensão de seguir carreira, chegava a ensaiar algumas canções com o grupo, mas tudo não passava de uma mera diversão. Porém, certo dia João Araújo (produtor musical e pai do Cazuza) assistiu uma apresentação da banda com a participação de Ronnie e tudo mudou, tudo mesmo.

João Araújo levou o príncipe para os estúdios da gravadora Polydor onde gravou duas canções, mas Ronnie jamais pensou que seria lançado um disco de apenas duas músicas, sendo uma em inglês e a outra em português. Surpresa! O LP intitulado de “You've Got To Hide Your Love Away” (1966) não apenas foi lançado, como a faixa “Meu Bem” ficou entre os hits mais tocados nas rádios de todo o país. A partir daí consolidam-se duas coisas: a carreira e a guerra na família.

O PEQUENO MUNDO DE RONNIE VON

Fenômeno no ramo musical, ainda no ano de 1966 o príncipe ganha um programa na TV Record chamado de “O Pequeno Mundo de Ronnie Von”. É claro que a programação principal girava entorno de atrações musicais, e isso deve ser presumido por todos, mas poucos sabem que foi através dele que nomes como Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil e os Mutantes (Rita Lee), se propagaram nacionalmente.

“EU NÃO QUERO FAZER MAIS DO MESMO”

Prestem atenção nesse ponto, pois a coragem que Ronnie teve foi simplesmente invejável. A gravadora projetava um príncipe que só cantava músicas românticas e melosas, também chamado de estilo dominante. Não concordando com isso, eis a resposta: “Eu não quero fazer mais do mesmo”.

REVOLUÇÃO SEM ARMA E SEM SANGUE

Sucesso absoluto e consagrado, no final dos anos 60 o príncipe começa uma verdadeira revolução sem arma e sem sangue. Como assim? Explico. Sabe aquela recusa ao estilo musical dominante? Em resposta, Ronnie lança três discos de rock psicodélico intitulados de “Ronnie Von” (1968), “A Misteriosa Batalha do Reino de Parassempre Contra o Império de Nunca Mais” (1969) e “A Máquina Voadora” (1970). Com esses LP’s conseguiu três coisas: o posto de pioneiro da música psicodélica brasileira, foi eleito o intérprete do principal disco de rock psicodélico do mundo e, ao mesmo tempo o insucesso de vendas (chegando sofrer devoluções à gravadora). Sim, a princípio os discos foram rejeitados pelo público, embora sejam verdadeiros primores. Além disso, canções como “Espelhos Quebrados”, “Meu Mundo Azul”, “Pare de Sonhar Com Estrelas Distantes” e “Máquina Voadora” são simplesmente magnânimas.

“MÃE DE GRAVATA”

Entre os anos de 1974 e 1977, o Príncipe sutilmente sumiu dos holofotes. Estranho, mas vou explicar. Lembra que lá atrás eu o chamei de “mãe de gravata”? Isso porque em 1975 Ronnie divorciou de sua esposa e ficou com a guarda dos dois filhos. O Príncipe simplesmente trocou o microfone e a coroa pelo avental, e a experiência de pai solteiro foi relatada no livro “Mãe de Gravata” (1992). Porém, o sucesso dessa história não acabou por aí e Ronnie ganhou um programa de TV com o mesmo nome do livro, esse formato televisivo ficou no ar de 1999 a 2000.

DE 2000 PARA CÁ

No início dos anos 2000, a banda Vídeo Hits relançou um dos poucos sucessos da trilogia psicodélica “Roniana”, “Silvia, 20 horas, domingo” com participação de Ronnie virou uma febre nas rádios e na TV. Finalmente a nova geração começou a valorizar e reconhecer o acervo musical do nosso cantor.

Com o programa “Todo Seu”, Ronnie se tornou um dos principais comunicadores da televisão brasileira. Camaleônico, o príncipe apresentava musicais, entrevistas e culinária diariamente nas noites da TV Gazeta, tornando-se o principal nome da emissora. Apesar do sucesso consolidado ao longo de quinze anos no ar, o folhetim chegou ao fim em 2019 devido uma crise financeira na empresa.

PRINCIPAIS SUCESSOS

Ronnie tem um extenso repertório, mas músicas como “A Praça”, “Meu Bem”, “Tranquei a Vida”, “Pra Chatear”, “O Carpinteiro”, “Cachoeira”, “Amo Amar Você” e “Visagem” foram os maiores sucessos do Príncipe.

No final de abril de 2021, o Tik Tok parou com uma coreografia da música “O Carpinteiro”. Ivete Sangalo, Rodrigo Faro, Tirulipa, Luciano Hang (dono da Havan), Danilo Gentili, jogadores do flamengo e outros artistas entraram na sensação desse hit de 1967.

CURIOSIDADES

Foi apelidado de Príncipe por Hebe Camargo;

Gravou “A Praça” contrariado (uma das principais canções do seu repertório);

“A Praça” é o tema de abertura do programa “A Praça é Nossa” (SBT);

Dona Consuelo de Saint-Exupéry o presenteou com uma estatueta do Pequeno Príncipe;

Como ator protagonizou com a atriz Glória Menezes o filme “O Descarte” (1973);

Foi considerado o rei do movimento IÊ-IÊ-IÊ;

Já recebeu uma ligação de George Harrison (ex-beatle), mas desligou achando que fosse trote;

Apesar da constante tentativa de incluir Ronnie na história da Jovem Guarda, o príncipe nunca fez parte do Programa de Roberto, Erasmo e Wanderléa;

Foi biografado através do livro “Ronnie Von: O príncipe que podia ser rei”;

É fã e colecionador de miniaturas de Star Wars.

TIO DE UMA NAÇÃO

Elegante, carismático e carinhoso, sempre iniciava o “Todo Seu” chamando os telespectadores de bonitinha e bonitão, mas foi autorizando chama-lo de tio Ronnie que o Príncipe conseguiu ter mais sobrinhos do que qualquer outra pessoa do mundo.

Tio Ronnie não é um príncipe em busca de um castelo, um cavalo branco ou uma monarquia. Tio Ronnie é um príncipe em busca de terras onde o reino de Parassempre sempre vença o império do nunca mais.

E é com essa singela homenagem que desejamos vida longa ao príncipe!

Comentários Facebook


Enquete


O que você espera do próximo Governo do Brasil?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.