Folha do ES
Sáb, 24 de Set
Nova logo da LEIA Pesquisa

.Home     Colunistas     Mario Eugenio Saturno

Coronavírus Ômicron


Mario Eugenio Saturno

Mario Eugenio Saturno

Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

Ver todos os artigos

  07.fevereiro.2022

Uma pandemia, como a Covid-19, é como uma guerra mundial, ou entre mundos, como diria H.G. Wells, autor do livro de 1.898 que gerou vários filmes e interpretação magistral de Orson Welles (quase o mesmo sobrenome) na rádio em 1.938, que também virou filme. Há o inimigo, os aliados (neste caso, toda a humanidade), a invasão dos territórios, a morte de soldados (até o chefe da inteligência do Exército Brasileiro morreu de Covid) e cidadãos e a destruição da economia.

Todos os países têm órgãos de inteligência para prevenir ataques hostis, nem sempre eficientes, como aconteceu com o ataque às Torres Gêmeas, os ataques na França e o assassinato do brasileiro pelo MI-6 na Inglaterra. Nos anos 1970, eu e meus colegas, vivendo a adolescência, já considerávamos incompetentes a CIA e outras agência, exceção para o Mossad, admirado por todos. Agora ainda mais, depois do ataque com vírus à rede de computadores de enriquecimento de Urânio que fica fora da internet, como nossas urnas eletrônicas.

Países inimigos ou competidores podem sabotar a economia com ataques hacker, sabotagem da agricultura ou da indústria, além do desenvolvimento da Ciência e Tecnologia. Guerra biológica está proibida por convenções internacionais, mesmo porque a própria natureza cria seus próprios agentes apocalípticos, como a Covid-19.

Alguns vírus, como o Sars-Cov-2, geram muitos mutantes e esses confundem médicos e cientistas e, nesse caso, cada variante deveria ser entendida como uma nova doença, já que tem sintomas diversos e as próprias vacinas perdem gradualmente sua eficácia.

Muitos governantes pelo mundo acreditavam que a variante do novo coronavírus denominada Ômicron fosse inofensiva, nosso presidente até desmobilizou o governo, prejudicando a vacinação das crianças.

Então, voltamos a viver o caos do ano passado. Os casos confirmados ultrapassaram 382 milhões em todo o mundo, segundo a Universidade Johns Hopkins. O número de mortes confirmadas já passou de 5,68 milhões. E as reinfecções suspeitas representam cerca de 10% dos casos da Inglaterra.

O relatório semanal do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América) de 28 de janeiro mostrou que as taxas de casos de Covid-19 foram mais baixas entre pessoas totalmente vacinadas com dose de reforço, em comparação com pessoas totalmente vacinadas sem dose de reforço, e muito mais baixas do que as taxas entre pessoas não vacinadas durante o período de outubro a dezembro e a mesma tendência foi observada nas taxas de mortalidade entre esses três grupos, sendo 0,1, 0,6 e 7,8 por 100.000 habitantes, respectivamente, durante outubro e novembro e para quem tem 65 anos ou mais, as taxas mudam para, 0,5, 3,2 e 33,4.

Eu fiz as contas, quem se vacinou (duas doses ou dose única) e ainda tomou a dose de reforço representa 1,18% das mortes; sem reforço, sobe para 7,06% e os não vacinados são 91,76% (1,3%, 8,7% e 90% para maiores de 65 anos). Perceberam a importância de completar todas as doses, incluindo a de reforço? É bom entender porque a Ômicron já tem uma variante mais infecciosa, denominada BA.2.

Comentários Facebook


Enquete


Como você acompanha as eleições de 2022?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.