Folha do ES
Ter, 28 de Jun

.Home     Colunistas     JÚLIO CÉSAR CARDOSO

Militares nas eleições 


JÚLIO CÉSAR CARDOSO

JÚLIO CÉSAR CARDOSO

JÚLIO CÉSAR CARDOSOé servidor público federal aposentado (Banco Central do Brasil) e temformação deBacharel em Direito

Ver todos os artigos

  11.maio.2022

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) verbaliza preocupação de diversas lideranças políticas que até agora estava restrita a conversas de bastidores: a de que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode ter se equivocado ao convidar as Forças Armadas para integrarem uma comissão de transparência das eleições.

A iniciativa foi do então presidente do TSE, Luís Roberto Barroso. "O presidente Jair Bolsonaro e setores militares do Ministério da Defesa acabaram assaltando e aparelhando a sua participação nessa comissão", diz Renan Calheiros. "Se aproveitaram da boa vontade do ministro Barroso", segue ele.

Renan diz que os militares já fizeram mais de "setenta questionamentos", e até exigiram a publicação de todos eles.

"De boa-fé, o tribunal acabou sendo ingênuo e abriu um precedente para legitimar essas ações que vêm de fora. Bolsonaro e setores da Defesa se aproveitam disso", diz ainda o senador.

Diante do comportamento dos militares indicados pelo Ministério da Defesa para a comissão, o senador diz ser forçoso reconhecer "a veracidade" da frase de Barroso sobre a participação deles no processo.

Na semana passada, o ministro afirmou que, "gentilmente convidadas para participar do processo, [as Forças Armadas] estão sendo orientadas para atacar o processo e tentar desacreditá-lo".

O magistrado afirmou que, apesar disso, "o profissionalismo e o respeito à Constituição têm prevalecido" nas Forças.

Fonte: FOLHAPRESS.

CONSIDERAÇÕES:

O senador Renan Calheiros, independentemente de sua trajetória política, está coberto de razão. O TSE não tem de se submeter aos caprichos de Jair Bolsonaro para que o Exército fiscalize as eleições. A psicopatia do presidente da República não tem limite, beira a sandice e o ridículo.

A normalidade do Estado Democrático de Direito não pode ser interrompida para atender às desconfianças mórbidas do presidente da República.

Lamenta-se que o Parlamento não interceda para barrar as atitudes descabidas do presidente da República em relação à lisura das urnas eletrônicas.

Comentários Facebook


Enquete


Você é a favor ou contra o passaporte de vacina obrigatório?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.