Folha do ES
Ter, 4 de Out
Nova logo da LEIA Pesquisa

.Home     Colunistas     Diego Ramon

Como serão os eventos de Réveillon nesse ano?


Diego Ramon

Diego Ramon

Bacharel em Turismo pela pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com experiências profissionais no setor privado e público

Ver todos os artigos

  25.novembro.2020

Considerando que para o evento de réveillon sempre há uma grande procura por cidades litorâneas do sul capixaba, as quais, além de já contarem com atrativos turísticos naturais (praias), realizam eventos públicos e privados com shows pirotécnicos e musicais. Essa combinação acaba por atrair sempre um grande público e as cidades litorâneas chegam a ultrapassar sua capacidade de carga, ou seja, a população fica maior do que a cidade pode comportar. Assim, invariavelmente, existe, por exemplo, uma superlotação nos meios de hospedagem, restaurantes, e ainda o atendimento precário dos serviços públicos, como coleta de lixo e atendimento médico.

Essa superlotação, por si só já é algo danoso a esses destinos turísticos, entretanto é preciso considerar as restrições oriundas da pandemia COVID-19, mais precisamente os protocolos de distanciamento social e controle sanitário. Assim torna-se impensável construir eventos públicos ou privados que culminem em aglomerações de pessoas.

Neste sentido a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, que possui um dos eventos de réveillon mais famosos do mundo, já informou que o referido evento, nesse ano, não terá público. A Riotur, autarquia municipal encarregada pela execução da política de turismo traçada pela administração municipal, informou que o espetáculo pirotécnico de cerca de 20 minutos será mantido, e que o evento contará ainda com 06 (seis) palcos com atrações musicais, distribuídos por pontos turísticos emblemáticos, mas o público não terá acesso, as apresentações serão, exclusivamente, transmitidas em plataformas digitais, como o Youtube.

A referida ação é um bom exemplo a seguir, visto que é possível mensurar uma preocupação no contínuo atendimento aos protocolos de combate a pandemia COVID-19, todavia existe também o planejamento pela retomada da atividade turística. Pois um evento como o réveillon, em uma cidade turística, é sempre muito aguardado pelo trade turístico (meios de hospedagem, bares, restaurantes, transporte, padarias, entre outros) e movimenta consideravelmente a economia local.

Todavia, assim como foi feito no Rio de Janeiro, é preciso agir antecipadamente e manter o potencial público informado do tipo de evento que encontrará, caso escolha determinado destino.

Já estamos no mês de novembro, e muitas cidades do litoral sul capixaba ainda não divulgaram se haverá ou não shows na virada de ano. Até mesmo no debate político essa questão não está sendo pautada. A simples desconsideração desse planejamento de adequação dos eventos aos novos protocolos sanitários, podem acarretar em aumento de contaminação pelo COVID-19, colapso do sistema público de saúde, entre outros.

Mais uma vez o setor de turismo terá que mostrar sua profissionalização para continuar sendo um importante vetor da economia de diversas cidades.

Comentários Facebook


Enquete


O que você espera do próximo Governo do Brasil?

  Votar   Ver resultado

Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.