Folha do ES
Dom, 17 de Fev

Home   Política     Brasil


Bebbiano diz que não pretende pedir demissão e que aguarda decisão de Bolsonaro

Bebbiano diz que não pretende pedir demissão e que aguarda decisão de Bolsonaro

  Por Redação

  14.fevereiro.2019 às 00:00Atualizado em 14.fevereiro.2019 às 03:51

Acusado pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro de mentir, o ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebbiano, disse ao blog nesta quarta-feira (13) que não pretende pedir demissão em razão do episódio.

Na terça-feira, Bebianno negou, em entrevista ao jornal 'O Globo', que seja o pivô de uma crise no governo. Ele afirmou: "Não existe crise nenhuma. Só hoje falei três vezes com o presidente". Segundo Bebianno, ele se comunicou com o presidente por meio de um aplicativo de mensagens.

Segundo Carlos Bolsonaro, é uma "mentira absoluta" que Bebianno tenha falado três vezes nesta terça-feira (12) com Jair Bolsonaro enquanto o presidente ainda estava internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo – Bolsonaro recebeu alta nesta quarta e voltou para Brasilia.

Para sustentar o que chamou de "mentira", o filho do presidente divulgou uma gravação em áudio do pai na qual ele supostamente conversa por telefone com Bebbiano. A gravação reproduz somente a voz de Bolsonaro.

No último domingo, reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" informou que no ano passado, durante a campanha eleitoral, Bebianno, então presidente do PSL, liberou R$ 400 mil de dinheiro público, do fundo partidário, para uma candidata "laranja" de Pernambuco que concorreu a uma vaga de deputada federal e recebeu 274 votos.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista de Bebbiano ao blog:

Blog - Ministro, o sr. está em meio a uma crise no Palácio do Planalto. Hoje, o vereador Carlos Bolsonaro divulgou áudio do pai dele presidente da republica para desmentí-lo. Esclareça esse episódio. O que de fato Carlos Bolsonaro está falando?

Gustavo Bebianno - Eu não sei, não acompanho muito as redes sociais. Eu mantive no dia de ontem algumas conversas com o presidente, conversas institucionais. Em uma dessas conversas, o presidente solicitou que a viagem que seria feita ao norte do país fosse adiada por questões que serão conversadas ainda. Depois falamos de outro assunto institucional, nada demais, não falamos de PSL, não falamos.

Blog - Ele nao perguntou nada sobre essa questão dos laranjas?

Bebianno - Não, não me perguntou nada. Eu também não falei nada.

Blog - O filho do presidente, na avaliação do sr., esta pressionando para que o sr. deixe o cargo?

Bebianno - Eu não vejo isso diretamente. Nada de maneira formal chegou até mim. Eu espero para conversar com o presidente amanhã ou depois de amanhã.

Blog - O sr. ainda não conversou com o presidente?

Bebianno - Não, não conversei sobre isso.

Blog - O sr. tem a intenção, diante desse desgaste, de deixar o cargo, de se demitir?

Bebianno - Não tenho essa intenção porque não fiz nada de errado. Meu trabalho continua sendo em beneficio do Brasil. O presidente, se entender que eu não deva mais continuar, ele certamente vai me comunicar. Mas até aqui minha relação com ele foi sempre a melhor possível, da minha parte tudo foi feito com honestidade, correção e vamos esperar para ver o que acontece

Blog - O sr. não recebeu nenhuma sinalização de que quer que o sr. deixe o cargo?

Bebbiano - Não, até agora não.

Blog - Ministro, esta não é a primeira vez que o senhor e o filho do presidente se estranham. Qual o pano de fundo disso? Como a gente explica?

Bebianno - Essa pergunta tem que ser feita a ele. Da minha parte, eu sempre selei a paz, a concórdia. O Brasil tem problemas sérios que precisam ser resolvidos. Eu acompanhei o presidente durante toda a pré-campanha e campanha por quase dois anos, e eu acho que é hora de trabalhar. Eu não entro nesse tipo de discussão. Não sou homem de postar coisas em redes sociais, de ficar acompanhando redes sociais, não faz parte da minha rotina. Então as notícias que nos chegam eu recebo com uma certa tristeza, perplexidade, não compreendo.

Blog - O sr. não entendeu o vazamento desse áudio?

Bebianno - Eu não entendo. Enquanto ministro de estado. eu vou manter a minha postura , a liturgia inerente à função e não comento esse tipo de coisa.

Blog - Ele disse que o senhor estava mentindo. O sr. estava mentindo, ministro?

Bebianno - Não, Andréia, eu mantive contatos com o presidente, como eu já disse. Tratamos de um assunto institucional e de um outro assunto relacionado à viagem que seria feita ao Pará. E essa viagem foi adiada por conta do pedido do presidente, o que foi feito ontem. Então, o contato houve, houve troca de mensagens por WhatsApp. Alguns poucos áudios, foi isso que aconteceu.

Blog - O sr. agora aguarda o presidente. É isso?

Bebianno - Eu aguardo o presidente.

Blog - O sr. falou que sempre agiu com muita correção. O sr foi presidente do partido. Tem uma acusação que o sr. teria liberado R$ 400 mil para uma candidata em Pernambuco. Liberou?

Bebianno - É humanamente impossível para uma pessoa adivinhar, saber. Foi uma eleição majoritária e proporcional. Então, nós tivemos milhares de deputados estaduais, candidatos a deputados estaduais, candidatos a deputado federal, senadores, governadores. Então, humanamente impossível num país como o Brasil, de Brasília, eu saber se determinado candidato do Amazonas, do Rio Grande do Sul, tem condição de eleição ou não. Então, até sobre o ponto de vista legal e até de acordo com o estatuto do PSL, quem monta a chapa são as executivas estaduais. A montagem de chapa é uma responsabilidade de cada estado, cada diretorio estadual. E assim foi feito pelo Brasil.


Fonte: G1

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.