Folha do ES
Ter, 19 de Fev

Home   Estilo     Celebridades


Padre ‘sertanejo’ fala sobre cachê gigante e fama de maltratar público

Padre ‘sertanejo’ fala sobre cachê gigante e fama de maltratar público

Padre Alessandro, conta um pouco sobre como lida com a fama e com os boatos ao redor de sua carreira

  Por Redaçao

  04.fevereiro.2019 às 11:37Atualizado em 04.fevereiro.2019 às 11:48

Em entrevista exclusiva, o case de sucesso comercial e de público Padre Alessandro, conta um pouco sobre como lida com a fama e com os boatos ao redor de sua carreira. Além disso, ele dá alguns detalhes sobre como será o seu novo programa na REDETV!

Confira:

Como é lidar com a fama sendo Padre?

“Primeiro de tudo, eu sou o Padre Alessandro. E eu nunca me esqueço disso, porque sendo Padre eu tenho plena consciência daquilo que eu sou para mim, para Deus e para as pessoas.

A fama veio depois do meu ministério, eu não imagina que ia ser famoso. Eu sempre quis ser Padre, desde criança eu brincava de celebrar a missa com o suco de groselha, bolacha Maria e vestia a camisola da minha vó.

Com 13 anos eu fui pro seminário e com 23 eu me tornei um dos Padres mais jovens do Brasil. Então é isso que eu sempre quis ser, nunca imaginei que seria artista. Venho de uma família sertaneja do interior de Minas Gerais.

Sou um Padre artista de Jesus Cristo. Padre Alessandro vem antes de tudo, senão fosse assim as pessoas não me chamariam de o Padre sertanejo do Brasil, e sim de Alessandro cantor. Por conta disso eu não vejo nenhuma dificuldade de lidar com a fama sendo artista e sendo o Padre Alessandro.”

As acusações dizem que você ostenta muito nas redes sociais para um Padre. O que você tem a dizer sobre isso?

“Veja, eu nunca fui muito ligado nas redes sociais. Eu sempre fui avesso as redes sociais. Tanto que estou no meu quinto ano de carreira e nunca usei elas para meu trabalho de evangelização.

Há acusações, incluindo queixas de que o senhor age com desrespeito com o público que vai ao seu programa. O que o senhor tem a dizer?

“Olha, eu tenho muito admiradores que são apresentadores de televisão e são super respeitados. Que de uma certa forma também já sofreram com esse tipo de acusação.

Por exemplo, eu sou muito fã do Silvio Santos. Me inspirei muito nele para fazer o meu programa. Veja o que o Silvio Santos faz com a sua plateia, ele desrespeita as pessoas? Ele brinca com as pessoas. São brincadeiras e a própria plateia permite.

Cito também o Ratinho, sou fã do Ratinho. Ele desrespeita o seu público? Não!

Estou na televisão há 5 anos, e acho engraçado justamente quando eu fecho um contrato com a RedeTv me aparece uma acusação dessa! É extremamente ridículo. É digno de nem responder esse tipo de coisa.

As pessoas que vão ao meu programa me acompanham há 5 anos. Existem pessoas que não perderam nenhum programa até hoje. Tanto trato eles com desrespeito que eles pagam para entrar. São 35 reais e é o único programa da televisão brasileira que se paga para entrar. Tanto maltrato eles, que eles sempre estão lá todas as terças-feiras.

Acho muito ridículo esse tipo de especulação, o Brasil já sabe que eu sou o Padre Alessandro das velhinhas que eu amo muito, e não vou deixar de ser quem u sou.

Nunca desrespeitei ninguém. Tanto é verdade que eu não possuo nenhum processo em cima de mim.”

Hoje você é proprietário de uma fortuna nunca divulgada. Segundo a Veja, você chega a cobrar cachê no valor de 135 mil reais. Valores bem semelhantes com sertanejos de sucesso como, Michel Teló. Você se considera um artista de nível nacional?

“Eu nunca divulguei fortuna, pois não existe fortuna para ser divulgada. Se um dia eu chegar a ter essa fortuna que todos falam, com certeza será divulgada.

Naturalmente a receita federal cuida de tudo isso, e nós temos possibilidade de entrar na receita e ver o imposto de renda que é feito atualmente. Afinal de contas, todo trabalhador merece o seu salário. Está na palavra de Deus. Eu não estou roubando ninguém, eu estou trabalhando e ganho pelo meu trabalho. Eu não conto as moedas, conta as almas que ganho para Jesus Cristo.

Tenho uma equipe que indiretamente emprega quase 150 pessoas, e elas precisam receber. A casa que eu moro não tem contas de graça, tenho que pagar as contas. O meu cachê é muito sóbrio. Existem artistas que cobram até 500 mil.

Quando a gente consegue fazer um cache de 130 mil eu fico muito feliz, pois desse dinheiro se paga o imposto que não é barato, os custos, a estrutura e o que sobra pra mim muitas vezes não é nem 10% disso.

Realmente eu sou dono de uma fortuna incalculável, essa fortuna se chama: saúde, vida, alegria e muitos amigos. Essa é minha grande fortuna. A minha família, os meus companheiros de trabalho. Isso ninguém pode me tirar, porque foi Deus que me deu.


Fonte: TV Foco

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2019 Folha do ES. Todos os direitos reservados.