Folha do ES
Dom, 22 de Jul
Transparência Vargem Alta

Home     Colunistas     Marcos Tristão

Pelo desenvolvimento da região Sul


Marcos Tristão

Marcos Tristão

Diretor Executivo Editora Leia

Ver todos os artigos

  18.maio.2016

Seria cômico, não fosse trágico

Apesar de não estar presente no encontro, a sensibilidade na percepção dos relatos de pessoas que estiveram lá me dá condição de analisar o todo. E assim o faço!

O que era para ser um encontro politico de demonstração de força acabou por se tornar um grande constrangimento e barrigada. O empresário Tales Machado foi o anfitrião do "teatro de horrores" ocorrido no último sábado, em sua empresa, a MagBan.

A motivação seria reunir tantos nomes de diversos partidos para discutir o “desenvolvimento econômico da região sul do estado”. Mas a falta de habilidade política do empresário levou o encontro para o fundo do poço de uma possível coalizão de forças para enfrentar a sucessão do prefeito Casteglione nas próximas eleições.

O primeiro constrangimento veio com a formação da mesa: ao prestigiar apenas o deputado estadual Theodorico Ferraço, Tales sinalizou de forma clara quais são suas preferências, já que outros dois deputados – Rodrigo Coelho e Marcos Mansur – estavam no evento e foram solenemente ignorados, como se não tivessem nenhuma contribuição a dar. Também compuseram a mesa, o vice-governador Cesar Colnago, o senador Ricardo Ferraço e o deputado federal Evair de Mello, além da diretora da TV Gazeta Sul, Maria Helena.

Outra situação que demonstrou total falta de habilidade política foi deixar o prefeito de Cachoeiro, Carlos Casteglione, e outros prefeitos, de fora da mesa, convidando apenas Dalton Perim, de Venda Nova do Imigrante. Ora, querendo ou não, Casteglione ainda é liderança maior da cidade e os demais prefeitos também se sentiram desprestigiados. Sem contar o empresário Camilo Cola, que do alto de sua vida octagenária foi menosprezado, sendo obrigado a ser mero espectador desse show de horror.

Foi uma demonstração de soberba, como se apenas a família Ferraço e o empresário entendessem de assuntos que poderiam colocar a região sul do estado no eixo do desenvolvimento econômico. Mas a tragédia maior ainda estava por vir: o discurso de Tales.

Sua fala foi desastrosa em todos os aspectos. Causou constrangimento a todos os presentes, ao fazer críticas duras ao prefeito Casteglione, que assistia a uma série de alegações sem fundamento técnico e sem dúvidas deveria passar em sua mente o seguinte pensamento "me trouxeram para uma armadilha". Aliás, o próprio Tales abriu o seu discurso dizendo que não tinha conhecimento da situação orçamentária real de Cachoeiro. Ora, então falou do que não sabia?!

O empresário também disse que ele, como presidente do Sindirochas, nunca visitou o curso de geologia da Ufes em Alegre. Ou seja, critica o prefeito, mas ele mesmo não cumpre suas obrigações “progressistas” na função que lhe cabe. Então, vai se meter em política pra que?!

Tales também disse que não é candidato a nada. É melhor que não seja mesmo, pois sua trajetória na política inicia idêntica ao modelo que levou Dilma Rousseff para o abismo: não sabe dialogar com as forças políticas. Fala a língua apenas de meia dúzia que lhe cerca. Articulação política de gabinete, muito distante dos anseios, vontades e demandas populares.

A característica do evento, inclusive, foi justamente essa: ostentação em seus helicopteros e carros acima de 100 mil reais, reclamando da crise. Crise para quem? Na vida, diria o ditado popular, não há coisa mais feia do que gente chorando de barriga cheia.

O evento também contou com a presença de quase todos os vereadores. Todos eles foram meros coadjuvantes no encontro.

O movimento também foi capitaneado pelo PSD. Partido novo em Cachoeiro, cheio de novos nomes. Por isso, têm o direito de errar. Afinal, são recém-nascidos e não têm mesmo a sagacidade para transitar em todos os cenários.

Se a intenção era mostrar força, o resultado foi justamente o contrário. Não é a primeira vez que empresários tentam se juntar à política para ditar os rumos de Cachoeiro de Itapemirim. Nunca deu certo. E, ao que parece, não será dessa vez, sobretudo se for protagonizado por essa turma elitista, segregacionista e soberba.

Estufam o peito para bradar suas teóricas capacidades de gestão e administração, sem sequer imaginar o que é comandar uma prefeitura. Estão acostumados, na verdade, a administrar dinheiro em sobra, quando, na realidade, em se tratando de Poder Público, a competência é medida pela habilidade em gerir a falta de dinheiro e para onde direcioná-los: a quem mais precisa.

Segundo informações, vários políticos deixaram o evento na metade.

No mais, o resultado foi bom para o prefeito Casteglione e os partidos que ainda compõem o seu grupo, que viram e ouviram uma oposição fragilizada no discurso e nas propostas, carregados de bravatas e que, ao que parece, nunca terão entrada nas periferias, onde está o povo de verdade.

É lá que as ações precisam chegar, não a um grupo que se identifica pelo sobrenome, como se quisessem colocar uma porteira na cidade e deixá-la apenas para suas famílias.

Depois de todas as falas, o evento se encerrou com uma feijoada, cerveja e refrigerante para os convidados. Tudo de graça. Sabe-se lá quanto tudo isso custou, mas pelo tamanho da estrutura oferecida, foi mais do que a prefeitura investiu para a passagem da Tocha Olímpica.

Ou seja, um grupo que vive muito distante da realidade e que ainda tem muita grana para dar banquete aos seus aliados.



Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2018 Folha do ES. Todos os direitos reservados.